Notícias

07/12/2016

Estímulo ao cuidado e afeto movimenta participação da Fundação Xuxa Meneghel na 2ª Semana do Bebê UMI

O vínculo afetivo estabelecido na primeiríssima infância entre mãe e bebê, se cultivado ao longo da vida, não se perde jamais. O cuidado e o afeto são capazes de transformar realidades. E foi com esse incentivo que a Semana do Bebê foi realizada pela segunda vez na Unidade Materno Infantil do Presídio Talavera Bruce, no Complexo Penitenciário de Gericinó – RJ, de 28 de novembro a 02 de dezembro.

Trabalhar essa proposta do Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF nas unidades prisionais é um estímulo à reflexão dos diversos desafios para o exercício da maternidade das mulheres em situação de privação de liberdade. O que se tornou uma mobilização em prol da inclusão desse tema em pautas prioritárias nas agendas dos serviços e políticas públicas, visto que se trata também do direito à sobrevivência e desenvolvimento de crianças até seis anos de idade.

O evento promoveu oficinas e rodas de diálogo voltadas à proteção e humanização do atendimento às internas e aos bebês. Durante as atividades, as mães (incluindo as gestantes) foram da emoção à diversão, como foi o caso das desenvolvidas pela Fundação Xuxa Meneghel, replicando a metodologia do Projeto Entrelaços, e pela Rede “Não Bata, Eduque!” realizada no dia da apresentação de palhaços com pula-pula e piscina de bolinhas envolvendo as famílias das detentas.

Em depoimento, a Assistente Social e técnica responsável pelo Projeto Entrelaços na Fundação, Pâmela Menicke, contou que é necessário estabelecer uma comunicação não violenta para que haja estímulos desde a vida intrauterina.

“Entender o diálogo e o uso da palavra enquanto ferramentas de cuidado é fundamental para a construção de um vínculo saudável entre mãe e bebê. E foi isso que incentivamos durante a oficina de Cuidado: estimulamos essa comunicação partindo da premissa de que quando o adulto percebe o bebê como sujeito de direitos e pessoa que ele é significa que o primeiro passo para uma relação respeitosa foi dado”, afirma a profissional do projeto apoiado pela Fundação Abrinq.

Além disso, ao longo dos cinco dias que se sucederam, foram desenvolvidos rodas de conversa sobre violência contra a mulher, curso de capacitação aos servidores, desfile da mamãe UMI, oficinas de SPA Sustentável, de histórias para bebês e mais.

O diferencial dessa segunda edição ficou por conta das cerimônias civil e religiosa do casamento comunitário. Neste dia, a FXM também incentivou a promoção do cuidado e a valorização da autoestima, pois contou com a participação de algumas voluntárias maquiadoras formadas pelo Instituto Embelleze, o que deixou as noivas ainda mais bonitas para um momento tão importante em suas vidas. Possibilitar o casamento comunitário também foi uma forma de chamar atenção para o papel da paternidade e estimular os vínculos familiares no fomento aos direitos integrais da criança.

“A experiência que tive na UMI foi sensacional! Com certeza vou levar para o resto da vida. Uma mistura de emoções ao ver o sorriso de cada pessoa tendo a oportunidade de estar arrumada e maquiada para aquele dia”, ressalta animada Fernanda dos Santos, aluna do curso de Cabeleireiro Profissional do Instituto Embelleze na FXM.

Vale ressaltar que durante os meses anteriores foram planejadas e executadas ações de sensibilização para o incentivo da participação das internas. Desses encontros, foram pautados pelas mulheres alguns temas a serem discutidos na abertura oficial do evento: saúde integral das gestantes, mães e bebês, processo de desligamento dos bebês ao completarem seis meses de vida e a demora na tramitação dos casos na justiça.

A UMI, considerada referência nacional entre as unidades prisionais desse porte, conta, hoje, com 13 internas que cumprem pena e  estão com os bebês. Todas vão para essa unidade após dar a luz e ficam lá com seus bebês até que os mesmos estejam com idades entre seis meses e um ano. Com a devida atenção judicial, algumas mulheres que já estão para receber a liberdade, conseguem mais um tempo para permanecer com o filho na unidade e saírem os dois juntos.

Quando não há outra opção, após esse período, as famílias das internas recebem os bebês.  Em última opção, a criança é encaminhada para uma família acolhedora, que cuida até que a mãe receba liberdade. Já na Penitenciária Talavera Bruce há 14 internas prestes a dar a luz. Com a Semana do Bebê, o objetivo é garantir agilidade na atenção judicial e a valorização do vínculo mãe-bebê para o desenvolvimento saudável da criança.

A Semana do Bebê faz parte de uma agenda proposta pelo UNICEF a estados e municípios de todo o Brasil para promoverem grandes mobilizações em favor da primeira infância. O evento é uma iniciativa do Governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), em parceria com a Fundação Xuxa Meneghel, a Defensoria Pública, o Ministério Público, o Tribunal de Justiça, o Instituto Masan, UNICEF, RGE, RioSolidario, Rede Nacional da Primeira Infância, Centro de Criação de Imagem Popular (CECIP) e a  Rede “Não Bata, Eduque!”.