Blog Fala Criança

Minha participação na audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília, no dia 30 de agosto, com o tema: Direito a educação sem uso de CASTIGOS CORPORAIS (PL 7672/2010)

Lá em Brasília eu tive oportunidade de conhecer vários lugares importantes, conheci a Câmara dos Deputados, o Senado Federal e a Praça dos Três Poderes, inclusive tirei foto lá. Mas, não pensem que lá só foi diversão, pow trabalhei pra caraça, porque nós (Eu e a Ana Paula), já chegamos no meio da reunião do GG (Grupo Gestor da Rede Não Bata, Eduque), o novo comercial, o folder, e os cartazes da campanha não bata, eduque estão bastantes legais e bonitos e as cores agora estão mais vivas.

O pessoal lá de Brasília me recebeu super bem, o hotel que eu fiquei é de frente para o shopping, eu e a Ana dividimos o quarto com uma integrante do Grupo Gestor e que foi para a Audiência Publica, o nome dela é Eleonora, pow  tipo assim ela é uma figura e super legal.

Conheci também uma moça bastante legal chamada Vera (CEDECA RJ – Centro de Defesa da Criança e Adolescente) que me ajudou com algumas coisas, nós passamos uma parte da noite pesquisando os deputados que iam estar lá na Audiência.
OBS: A maioria dos deputados é velhinho e de bigode…

Na Audiência Publica fiquei bastante nervosa porque uma adolescente no meio de uns 30 a 40 adultos… Haja coragem para se sentir normal, fiquei nervosa, mas valeu a pena porque o que falaram sobre o Projeto de Lei que Proíbe Educar com o uso do CASTIGO CORPORAL, e o  propósito lá foi q ninguém deve aceitar qualquer tipo de violência contra a criança e o adolescente.

By: Dayane Da Silva Santos – 13 anos.

PS: Ah, texto  que eu preparei  para falar na audiência pública, onde representou as crianças e adolescentes.

Bom Dia, para quem não me conhece, meu nome é Dayane Silva, tenho 13 anos e vim representar as crianças e adolescentes do Brasil.
O que posso dizer sobre a rede não bata eduque…
A Rede Não Bata Eduque é uma rede que tem como objetivo garantir o direito a educação sem o uso de castigo corporal, ajudar as crianças que sofrem violência física e verbal e orientar os pais com formas diferentes de educar seu filho sem o uso da violência. O nosso trabalho na Fundação Xuxa é que, em 1º lugar as crianças devem saber que elas têm direitos, e que para eles serem cumpridos pelos seus pais, elas devem exercer seus deveres.
Eu estou aqui hoje para representar as crianças/adolescentes que sofrem violência em casa, na escola e no seu próprio bairro. Sei disso tudo porque faço parte de grupo chamado “Participação Infantil”. Mas o que é participação infantil?
Para mim participação infantil, quer dizer as crianças e os adolescentes participarem e questionarem os adultos se eles tiverem errados e apoiá-los se tiverem certos. Assim seu filho vai ter uma relação maior com você, ele vai se sentir confiante de saber que você está ali para apoiá-la e dar conselhos a ela. Assim a criança vai ter um futuro melhor e quando ele (a) estiver lá brilhando com a carreira que ele quiser seguir, você vai ter orgulho dele, porque o maior orgulho de uma mãe é que seu filho seja alguém na vida.
Aproveitando e assunto queria dizer que nós, crianças e adolescentes, já fomos para vários lugares do Rio de Janeiro levando conosco a “Roda de Diálogo”, que tem o sentido de questionar os adultos sobre o assunto. Porque você vai ver numa situação dessa o adulto fugir de casa? NÃO!
Quem foge nessa situação é o jovem e acaba indo para as ruas e acha o que ele sempre quis: “liberdade” e junto com a liberdade vem as responsabilidades, que por sofrer tanto em casa, não teve tempo de saber o que é uma pessoa responsável , e por conta disso ele pode acabar morrendo. E depois da morte, o sofrimento e a sensação de culpa ao mesmo tempo acabam indo tudo para a família, o sofrimento de perder o filho que pôs no mundo, e a culpa de poder ter causado a morte do seu próprio filho . É triste, mas é a pura realidade.
Queria parabenizar os organizadores do evento por terem compreendido a importância da participação de uma criança, pois o assunto desrespeita a nossa própria vida e não podem faltar alternativas contra a violência. Porque bater não quer dizer que a mãe não sabe educar o filho, quer dizer que ela não acha outra alternativa a não ser agredi-lo. Desse jeito a reprodução da violência vira uma coisa normal.
Dayane da Silva Santos -13 anos


Deixe o seu comentário

Blog Fala Criança

Ato Em Defesa da Vida – Candelária Nunca Mais

Na madrugada de 23 de julho de 1993, em frente à Igreja da Candelária, policiais abriram fogo contra mais de 70 pessoas que estavam dormindo nas proximidades da Igreja. Era a “Chacina da Candelária”, quando 08 jovens foram barbaramente assassinados aos pés do centro comercial e religioso da cidade do Rio de Janeiro. Desde então, [...]

Adolescentes da Fundação Xuxa Meneghel vão ao lançamento do livro “Vento no Rosto”

No dia 03 de maio de 2013, nós, adolescentes do Núcleo de Incidência Política da Fundação Xuxa Meneghel fomos ao lançamento do livro “Vento no Rosto” que aconteceu no centro da cidade do Rio de Janeiro. Carlos Zuma,Vanessa Fonseca, Ana Paula Rodrigues e a adolescente Dayane dos Santos, todos da Rede Não Bata Eduque, participaram [...]